cosmeticos
Brasileiro ainda está receoso

O segmento de Higiene Pessoal e Beleza (H&B) deve crescer pela primeira vez após dois anos com queda real das vendas. As vendas reais, descontada a inflação, podem aumentar aproximadamente 2% em 2017, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

“De forma geral, o sentimento das indústrias está melhor, com as empresas um pouco mais animadas. Não se prevê um crescimento fabuloso, mas um resultado melhor do que dos últimos dois anos”, revela o analista sênior de pesquisa da Euromonitor, Elton Morimitsu.

Para ele, o crescimento econômico, ainda que tímido, e a inflação sob controle, melhoraram as perspectivas do brasileiro. Esta pequena melhora será sustentada por produtos de menor custo. “A mentalidade do consumidor não deve mudar no curto prazo. A racionalidade será a de evitar o consumo de produtos mais caros”, avalia Morimitsu.

Entre os produtos que apresentaram crescimento estão os depilatórios, que registraram alta de 27%, impulsionados pela redução da frequência das mulheres nos salões de beleza. Itens masculinos e perfumaria também não sofreram com a crise.

 

Fonte: Diário do Comércio, Indústria e Serviços (DCI)

Foto: Shutterstock