cabelo-3
Categoria já está estabilizada

O mercado brasileiro de produtos para cabelos, quarto maior do mundo, pode terminar o ano com estabilidade em volume e crescimento de 1% em valor se comparado com 2016, segundo dados da Euromonitor.

Ainda que pequeno, o ritmo é melhor do que no ano passado, quando o setor decresceu 8% em unidades comercializadas e teve receitas estagnadas. A tendência é que o crescimento anual até 2021 não passe de 5%, em volume e valor, de acordo com a consultoria.

As vendas da indústria de produtos para cabelos não crescem em volume há alguns anos, diz a consultoria Nielsen, pois os produtos estão presentes na maioria dos lares, limitando o crescimento. “Em faturamento, as vendas subiram em 2016, mas isso foi resultado, principalmente, do repasse de preço feito pelas indústrias”, explica a gerente de atendimento da Nielsen, Roberta Aterino.

O mercado ainda é concentrado em segmentos básicos, como xampu e condicionador. Já os produtos de tratamento, cremes para pentear e finalizadores são potenciais de crescimento, pelo baixo desembolso e por atraírem novos consumidores.

“Há muita oportunidade de crescimento em produtos mais sofisticados, como cremes de pentear, ampolas e condicionadores. A categoria está muito associada à conjuntura macroeconômica e, por isso, em mercados como o Brasil e a Argentina, o consumo está momentaneamente pressionado”, diz o vice-presidente-executivo para América Latina da Unilever, Miguel Kozuszok.

Fonte: Cosmetic Innovation

Foto: Shutterstock