perfume

Para os brasileiros, os produtos de cuidados pessoais não bastam ser eficazes, devem também ter uma fragrância agradável

 É só observar a movimentação no ponto de venda (PDV) por alguns minutos para ver diversos clientes abrindo a tampa das embalagens a fim de sentir o perfume dos produtos. Esse é um hábito comum, pois os brasileiros levam muito em conta a fragrância dos produtos de cuidados pessoais no momento da compra.

Pesquisas realizadas pela indústria da beleza revelam que, além da eficácia do produto, o perfume é também um fator primordial na decisão de compra e fidelização.

“Isso é comprovado por meio de relatos de consumidores e das pesquisas que realizamos ano após ano”, afirma a coordenadora de marketing e comitê de produtos da Memphis, Vanessa Soares.

Esse universo dos aromas pode ser amplamente explorado entre os itens vendidos em uma farmácia. Sabonetes – em barra e líquidos –, hidratantes, óleos corporais e body spray são alguns dos produtos com maior presença na rotina de cuidados pessoais do brasileiro. E é na farmácia que boa parte do público consumidor procura por esses itens.

“O canal farma cresce em volume e faturamento para a companhia. Trata-se de um canal estratégico para a venda de itens específicos, como loções hidratantes, estojos de presente e linhas especiais”, confirma a executiva.

Apoiado pela performance de venda de produtos de cuidados pessoais nas farmácias, o Brasil é o terceiro maior mercado global em beleza, atrás apenas da China e dos Estados Unidos, de acordo com o levantamento realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) e pelo Instituto FBS Pesquisa.

Muito desse sucesso se deve ao fato de que, para o brasileiro, o segmento de higiene pessoal está diretamente atrelado com o bem-estar, a autoconfiança e a autoestima das pessoas.

E é justamente o aroma dos produtos o elemento capaz de proporcionar essa sensação prazerosa que o consumidor busca nos cuidados pessoais. Os aromas corretos, aliados a uma boa fixação, são capazes de oferecer sensação de limpeza e suavidade, itens apreciados pelo shopper brasileiro.

A fragrância dos produtos é tão importante que pesquisas qualitativas realizadas pela Memphis revelam que a alta perfumação é um dos marcos apontados pelos usuários da marca.

“Pesquisamos muito o atributo de perfume e buscamos sempre superar as expectativas dos consumidores. Nossos perfumes aliados à fixação na pele são alguns dos atributos mais reconhecidos”, conta Vanessa.

Como funciona a pesquisa de uma nova fragrância

• Antes de criar um aroma, as empresas elaboram um briefing do que esperam do produto;

• Em seguida, analisam o público-

-alvo do produto em questão, para determinar quais elementos podem ser utilizados na composição

 da fragrância;

• Com base no briefing e público-alvo, desenvolvem pelo menos três opções de produtos, com composição e fragrância diferentes;

• As opções são apresentadas a consumidores alvos do item. O produto mais bem avaliado é fabricado em larga escala e inserido no mercado.

Fonte: Memphis

 

Venda atrativa

Todo varejista precisa ter na palma da mão dados sobre quem é o público consumidor majoritário da loja. Com essas informações, é possível escolher um mix adequado, tanto em relação às categorias, como também às fragrâncias.

De maneira geral, mulheres preferem fragrâncias florais e mais adocicadas. Já o público masculino tende a procurar produtos com notas frescas, amadeiradas e cítricas. Para itens de uso cotidiano, como hidratantes corporais, vale apostar nos com aromas de flores e frutas.

Ingredientes brasileiros estão em alta. Pensando nisso, a Palmolive lançou uma linha de sabonetes fabricada a partir da semente in natura do açaí e do maracujá, que além de proporcionar perfume, oferece uma leve esfoliação na pele. A escolha de produtos naturais faz parte da estratégia de lançar produtos premium ao mercado de massa, segundo o diretor de marketing de cuidados pessoais da Colgate-Palmolive, Marcelo Cruzato.

Preparar a equipe para destacar atributos especiais de uma boa fragrância também é uma ação importante para estimular as vendas e a fidelização. “No canal farma, o conhecimento da equipe de loja, como os farmacêuticos, dermoconsultoras e balconistas, é muito importante para as vendas desses produtos”, reforça a gerente de marketing Brasil para Eucerin, Orietta Balbontin, lembrando que a orientação deve ser ainda mais detalhada quando se tratam de dermocosméticos, que possuem uma venda muito atrelada à recomendação médica.

Veja qual tipo de fragrância se encaixa melhor para:

• Mulheres

Fragrâncias florais, com notas de rosa e jasmim, por exemplo, além de baunilha e champanhe.

• Homens

Fragrâncias frescas, amadeiradas, como âmbar, 

tabaco, além das cítricas.

• Crianças

Notas suaves e calmantes, como camomila e aloe vera.

• Dia a dia

Notas florais e frutais, como erva-doce e flor de laranjeira. Também é importante conter o efeito de hidratação da pele, por isso, há produtos compostos por aveia e leite.

• Ocasiões especiais

Essências florais finas e especiais que proporcionam uma sensação de bem-estar, permanecendo o dia todo. Nestes casos, apresentam-se notas de lavanda e orquídeas, por exemplo.

Fonte: Memphis

 

Categoria a ser explorada 

Sabonetes, hidratantes e óleos corporais já fazem parte do sortimento de toda a farmácia, mas há uma categoria que ainda é pouco explorada e merece ganhar um espaço entre o sortimento: perfumes e colônias. Para acostumar o consumidor a adquirir esses produtos nesse canal, é interessante apresentar ações com promotores ativos.

A presença desse profissional no PDV é importante para ativar promoções, demonstrações, promover degustações e tirar as principais dúvidas dos compradores sobre questões técnicas, por exemplo.

“Esses profissionais atuam diretamente no desempenho das marcas e dos produtos em seus canais de venda. Uma alternativa para facilitar o processo é disponibilizar um “tester” para aproximar o item desejado do consumidor”, opina Vanessa.

Para os itens mais corriqueiros, como sabonetes e hidratantes, também é válido manter uma equipe de atendimento preparada e trabalhar a exposição adequada. É isso que garante o bom desempenho das categorias.

“O ideal é colocar os produtos de subcategorias expostos na mesma prateleira e na altura dos olhos do consumidor. Além disso, é importante segmentar por tipo de pele, ou seja, deixar todos os itens indicados para pele sensível juntos, depois para pele seca e assim por diante”, aconselha Orietta. 

 

Fonte: Shutterstock